Histórico do Município

Breve História de Anajás

     De acordo com as informações contidas em documentos fornecidos pela Prefeitura Municipal, a origem do município de Anajás deu-se decorrente do desenvolvimento da catequese no período colonial quando os jesuítas sediados em Chaves ampliaram suas missões para o interior da Ilha de Marajó.

     A região denominava-se Mocoões devido localizar-se em frente à foz do Rio Mocoões, entretanto, a denominação atual “Anajás” teve sua origem do nome dado à uma pequena palmeira com estipe de 5 à 6 metros de altura, com folhas bem maiores que medem de 7 à 8 metros e, que produz oleaginosos e por também haver sido nome de uma extinta tribo que habitou a região durante o período do Brasil Colonial e do rio que banha o Município.

     Anteriormente, o Território de Anajás pertenceu aos Municípios de Chaves e Breves. Considerando o crescimento comercial da região, o Município recebeu da Província em 1869 a categoria de “Freguesia” com a invocação do Menino Deus do Rio Anajás, quando em 1870 passou a pertencer ao município de Breves.

     Para esta Freguesia, quando sua fundação a mesma recebeu o terreno quadrangular o qual media 400 braças de lado em favor dos Srs. João Alves Monteiro, João Gonçalves dos Santos e José Gonçalves dos Santos, conforme consta no título a eles expedido pelo Governo Provincial. Devido às discordâncias políticas da época, a Freguesia do Menino Deus foi extinta e elevada de categoria por três vezes em 15 anos a qual foi questionada a posse de seu território pelos Municípios de Chaves e Breves.

     Com o objetivo de finalizar tais discordâncias, influentes políticos trabalharam com grande interesse para a criação do Município, a qual foi concedida em 25 de Novembro de 1886 com a Lei nº 324 de 06 de julho de 1895, que dividiu o Estado do Pará em cidades, vilas e povoados, elevando Anajás à categoria de Cidade.

Após a Proclamação da República em 1889, coube a indicação ao Cel. Francisco Rezende a Intendência do Município até 1912. Nesta data foi realizado um pleito, tendo como candidatos para intendência os Coronéis: Rezende e Vicente Ferreira Brabo, com vitória ao cel. Rezende.

     A Família Brabo por ser muito poderosa não acatou o resultado da eleição, partindo do Cel. Brabo um confronto na sede Municipal entre seus capangas e os do candidato vitorioso, tendo nas 6 horas que durou o combate duas vítimas fatais e vários feridos. Nesses dias o povo se dividiu em 2 grupos: o grupo do Coronel Rezende que ficou instalado na Intendência, enquanto que o grupo do Cel. Brabo ficou instalado na Igreja Católica.

     O último dia de conflito resultou na derrota do Cel. Rezende que teve que atravessar o Rio Mocoões à nado. Com a vitória, o Cel. Brabo indicou para a intendência de Anajás o Major Pena que renunciou e posteriormente foi indicado novamente pelo Cel. Brabo e vários outros sucessores.

     Em 1930, o município foi extinto e anexado ao município de Afuá. Em 1938, foi restaurado novamente o município através de outro decreto estadual que constituía por um só distrito, a sede e três zonas: Anajás/Furo do Breu e Trovão. Neste ano, o Interventor do Pará Dr. José Malcher nomeou para Prefeito Municipal o senhor Sebastião de Freitas Neto.

     Em 1947, transcorreu-se a primeira eleição municipal com vitória ao candidato Wagner Tabosa. Cronologicamente e na eletiva o sucederam os Senhores: Silas Pastana Pinheiro, Euclides Pinheiro de Vilhena, Silas Pastana Pinheiro (reeleito), Agesilau Donato de Araújo, Wagner Montezuma Tabosa (reeleito), Osvaldino Nascimento Ribeiro (completou seu mandato o Sr. Alcides da Nóbrega Pinheiro), Francisco José Koch Coutinho Filho, Avaro Pereira de Paiva, Agesilau Donato de Araújo filho (completou seu mandato o Sr. João da Mata Pacheco, Raimundo Nogueira Filho, Edson da Silva Barros, e em 2012 foi eleito Vivaldo Mendes da Conceição que permanece atualmente na Administração Municipal.